FILME DO DIA

E-BOOK

CINEMARDEN VAI AO OSCAR

OS PICARETAS

Existem filmes clássicos e cultuados como A Noite Americana, de François Truffaut, O Jogador, de Robert Altman e Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder, que falam sobre os bastidores da indústria e da produção cinematográfica. E existe Os Picaretas, uma engraçadíssima comédia de Frank Oz que mostra as agruras de um diretor-produtor independente, Bobby Bowfinger, interpretado por Steve Martin (também autor do roteiro), que sonha realizar um filme com o maior astro de Hollywood. Para tanto, ele precisa convencer Kit Ramsey (Eddie Murphy) a aceitar o papel principal em seu filme. Bowfinger estabelece um novo padrão para produções de baixo orçamento e reside aí algumas das seqüências mais criativas e divertidas da trama. Os Picaretas consegue fugir das fórmulas esquemáticas que acometem boa parte das comédias americanas das últimas décadas. O entrosamento de todo o elenco é visível, sinal de que eles devem ter se divertido bastante durante as filmagens. Assim como nós nos divertindo vendo o filme pronto. Uma dica: veja até o final dos créditos.
OS PICARETAS (Bowfinger – EUA 1999). Direção: Frank Oz. Elenco: Steve Martin, Eddie Murphy, Heather Graham, Christine Baranski, Jamie Kennedy, Robert Downey Jr. e Terence Stamp. Duração: 96 minutos. Distribuição: Universal.

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM

6 respostas

  1. Adorei esse filme, pela criatividade, as soluções que o diretor encontra são super engraçadas: como aquela cena na garagem, e tem uma “pessoa” andando de sapato alto mas que é visto só por baixo do carro, criando o maior suspense…. ou dos mexicanos que são contratados como câmera e auxiliares e não sabem uma palavra em inglês, e no final do filme sabem tudo de cinema… hahahaha
    Esse é um dos filmes que a gente vive lembrando.

  2. Os Picaretas é filme-irmão de “Deu a Louca nos Astros” (State and Main – 2000) e primo de segundo grau de “Vivendo no Abandono” (Living In Oblivion – 1995). Somados às outras referências citadas pelo Marden, temos um desenho de como é a verdade por trás da construção de uma realidade. E bem como lembrou o Douglas, nunca mais atravessei a pé uma rodovia sem pensar no sorriso nervoso e metálico de Ramsey.

  3. Nao canso tb de assistir esse filme, dou muitas gargalhadas, a cena com o cachorro está deitado no sofá e o Diretor espera a garota para o encontro é de matar de rir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS POSTAGENS

ASSINE E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES