FILME DO DIA

E-BOOK

CINEMARDEN VAI AO OSCAR

UMA AVENTURA NA ÁFRICA

À primeira vista, o que pode ter de interessante em um filme concentrado basicamente em um bêbado e uma missionária dentro de um pequeno barco descendo um rio africano no início do século passado? Nada, se o filme for dirigido por um diretor qualquer. E tudo, se o diretor for um cineasta do calibre de John Huston e melhor ainda, se o bêbado for interpretado por Humphrey Bogart e a missionária por Katharine Hepburn. Essa “trinca” fabulosa transforma Uma Aventura na África em uma das mais inusitadas, surpreendentes, divertidas e emocionantes histórias de ação do cinema. Estamos em 1914, início da Primeira Guerra Mundial, no coração da África. Charlie Allnut (Bogart) é dono de um barco a vapor, o “Rainha Africana” (tradução literal do título original do filme). Uma série de acontecimentos faz com que ele tenha que descer o rio Congo com a missionária Rose Sayer (Hepburn). Ao longo da viagem, eles enfrentam os perigos dos rios e da selva, enfrentam alguns soldados alemães e, principalmente, têm que conviver um com o outro. Huston decidiu filmar em locações verdadeiras, o que tornou a produção bem mais autêntica, porém, mais cara e sujeita a imprevistos. No final, contrariando previsões pessimistas, Uma Aventura na África revelou-se uma obra singular e referencial na história do cinema. Simplesmente obrigatório.
UMA AVENTURA NA ÁFRICA (The African Queen – EUA 1951). Direção: John Huston. Elenco: Humphrey Bogart, Katharine Hepburn, Robert Morley, Peter Bull, Theodore Bikel, Walter Gotell, Peter Swanwick, Richard Marner, Gerald Onn e Errol John. Duração: 105 minutos. Distribuição: Paramount/Warner.

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM

3 respostas

  1. A maior parte dos filmes de Fritz Lang versa sobre a culpa. Via de regra, quase todos os protagonistas do cineasta alemão são pessoas torturadas por um sentimento esmagador de culpa. Esta característica é fator importante em “A Gardênia Azul” (The Blue Gardenia, EUA, 1953), um dos mais obscuros e tardios noir dirigidos por ele em Hollywood. Trata-se de uma produção que tem outras marcas registradas do diretor, como o sofisticado tratamento visual da película, mas que também entrega uma série de concessões comerciais, como um número musical com Nat King Cole, algo incomum na obra de Fritz Lang.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS POSTAGENS

ASSINE E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES