FILME DO DIA

E-BOOK

CINEMARDEN VAI AO OSCAR

ROBOCOP: O POLICIAL DO FUTURO

“Metade homem. Metade máquina. Totalmente policial”. Esta é a frase estampada nos anúncios do filme. RoboCop, primeira grande produção americana do diretor holandês Paul Verhoeven, é muito mais do que aparenta ser. Uma análise ligeira pode levar a crer que se trata de mais uma adaptação de quadrinhos. Não é, mas, parece mesmo. Outra interpretação equivocada diz se tratar de um filme que glorifica a violência. Não há como negar que Verhoeven, em todos os seus filmes, trata do tema. Porém, ela está sempre devidamente contextualizada. No mundo mostrado em RoboCop a polícia foi privatizada e não consegue diminuir os índices de criminalidade. A solução encontrada: criar máquinas que combatam o crime, já que os policiais de carne e osso estão sempre ameaçando entrar em greve. Daí, surge o projeto de unir homem e máquina e transformá-lo em um obediente e eficiente instrumento de aplicação da lei. Uma espécie de “Frankenstein” domesticado e cumpridor dos deveres. RoboCop se utiliza de uma fachada de filme policial de ficção-científica para defender a importância dos sentimentos e desejos humanos, sejam eles quais forem. Sentimentos e desejos que nunca permitirão que homem algum venha a ser controlado ou manipulado. O filme gerou duas seqüências e uma série de TV. Todas ruins e bem inferiores ao original.
ROBOCOP: O POLICIAL DO FUTURO (RoboCop – EUA 1987). Direção: Paul Verhoeven. Elenco: Peter Weller, Nancy Allen, Kurtwood Smith, Ronny Cox e Miguel Ferrer. Duração: 102 minutos. Distribuição: Fox.

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM

2 respostas

  1. O caminho HQ/Cinema aqui se deu ao contrário. Mas há uma pista escondida aí: é muito curioso ver que Verhoeven se utiliza do formato proposto por Frank Miller na graphic novel “Cavaleiro das Trevas”, quando faz analogias entre a trama da história e a forma como a mídia se apresenta no tempo em que se discorre os eventos. Isso também acontece nas seqüências. E em Robocop 2 e 3 tem-se a participação do próprio Frank Miller nos roteiros – claro que isso já é outra história…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS POSTAGENS

ASSINE E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES