FILME DO DIA

E-BOOK

CINEMARDEN VAI AO OSCAR

O EXORCISTA

Quando foi lançado nos cinemas, em 1973, o filme O Exorcista, dirigido por William Friedkin e com roteiro adaptado pelo próprio escritor do romance, William Peter Blatty, provocou fortes reações no público que foi vê-lo nas salas de exibição. Relatos de jornais da época dão conta de pessoas que desmaiaram, tiveram náuseas e até mesmo infartaram durante a projeção do filme. Mesmo que descontemos os eventuais exageros, uma coisa é certa: O Exorcista foi e continua sendo uma obra que mexe com o imaginário de todos. O diretor Friedkin desfrutava ainda o sucesso de seu trabalho anterior, Operação França, quando assumiu o projeto, que era a grande aposta da Warner para aquele ano por conta da enorme expectativa em torno do filme desde o lançamento do livro, em 1971. A história, sem trocadilho, gira em torno da possessão demoníaca de uma garota de 12 anos, Regan, vivida pela estreante Linda Blair, que ficaria marcada por este papel. Sua mãe, Chris (Ellen Burstyn) recorre ao padre Karras (Jason Miller) e este pede ajuda ao padre Merrin (Max von Sydow). Indicado a dez Oscar, terminou por ganhar apenas dois: roteiro adaptado e som. Um dos filmes mais influentes e marcantes da primeira metade da década de 1970, O Exorcista provou, e ainda prova, que é possível realizar um filme de terror adulto. A versão disponível hoje em DVD e BD é a estendida, com dez minutos adicionais e um novo tratamento de som. E continua assustador.
O EXORCISTA (The Exorcist – EUA 1973). Direção: William Friedkin. Elenco: Ellen Burstyn, Max von Sydow, Lee J. Cobb, Kitty Winn, Jack MacGowran, Jason Miller, Linda Blair, William O’Malley, Barton Heyman e Peter Masterson. Duração: 132 minutos. Distribuição: Warner.

COMPARTILHE ESSA POSTAGEM

3 respostas

  1. Ele ultrapassa do ponto “terror”, adentrando no sentimento “mal-estar”.
    Nota 1: Levou 20 anos pra Academia se recompor e indicar outro filme com uma pegada assustadora para o Oscar de melhor filme, com O Silêncio dos Inocentes.
    Nota 2: Tive o prazer (!) de poder ter visto numa reprise em tela grande, nos anos 90.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS POSTAGENS

ASSINE E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES